Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Festa do Avante!: Não há festa como esta!

por Ana Prestes, em 03.09.07

Vivendo em Portugal desde o início de 2007, o meu partido, o PCdoB, me delegou uma fantástica missão. Ajudar a construir o espaço do PCdoB na Festa do Avante! Relato abaixo um pouco da minha percepção sobre a festa e algumas informações interessantes.

 

Pode-se dizer que o coração de cada comunista português bate mais forte durante os três dias da Festa do Avante!. A festa é cativada e defendida como se fosse um filho para cada um dos dirigentes ou militantes do PCP (Partido Comunista Português). Estão sempre prontos à divulgá-la e a defendê-la dos ataques feitos, invariavelmente, pela direita sempre cavando um argumento para desmoralizar a iniciativa invejável.

 

Como ocorre com o Carnaval no Brasil, todos os dias que não são da festa propriamente dita constituem a sua véspera. São meses de expectativa construída com base no planejamento e na construção prática do território que abriga o encontro. Dentro do espaço da festa, meses antes da sua realização, se reúnem milhares de voluntários, sendo alguns fixos e vários que vão se alternando durante as seguidas semanas necessárias para erguer a cidade do maior encontro político-cultural de Portugal e um dos maiores da Europa.

 

A construção

 

O trabalho de construção da festa é um capítulo a parte. Não importa se é o secretário de Relações Internacionais do PCP, um euro-deputado ou um militante recém-ingresso. Todos se transformam em construtores, todos colocam literalmente a mão na massa e não surpreende encontrar tanto os destacados quadros, como os ilustres desconhecidos militantes, todos sujos de tinta e com as mãos calejadas após um dia de trabalho na cidade festiva.

 

É também na preparação da festa que se forjam e se formam os militantes e dirigentes partidários, independente do tempo de militância e das funções que cumprem do lado de fora da festa. Com esse processo surgem novas lideranças, testa-se a democracia interna e principalmente exercita-se a humildade comunista tão defendida por Álvaro Cunhal.

 

Grande parte deste trabalho é organizado em forma de jornadas que têm início normalmente em junho e se repetem todos os dias, incluindo feriados e fins de semana até a abertura da festa. Destaca-se aqui a forte presença da juventude, por isso, mesmo antes de sua abertura, os comunistas consideram a festa como da juventude.

 

Pelos cálculos do PCP mais ou menos 4 mil pessoas participam nas jornadas, efetuando-se cerca de 20 mil horas de trabalho voluntário empregados em erguer, decorar e equipar os quase 22 mil metros quadrados de área construída. Também nos dias da festa, o trabalho voluntário é imprescindível - em torno de 12 mil voluntários se desdobram para cobrir o funcionamento dos pavilhões, bares e restaurantes.

 

A história

 

A festa nasceu no período pós-Revolução dos Cravos (Abril de 1974) no ano de 1976. E desde então se consolidou como uma obra dos comunistas portugueses e de seu partido. Nas palavras do PCP a Festa do Avante é a "grande festa que a juventude fez sua, festa aberta a todos, que a todos acolhe e respeita e em que todos podem encontrar algo que os enriqueça".

 

É "o lugar destacado da arte e da cultura e do seu amplo encontro com o povo; o ambiente caloroso, tolerante e fraterno; o valor do trabalho humano e do papel dos trabalhadores, da solidariedade e do esforço coletivo; a informação e o debate sobre as grandes questões do nosso país, do nosso mundo e do nosso tempo; a participação massiva da juventude afirmando a sua própria maneira de ser, de estar e de viver; os ideais, o patrimônio histórico e o projeto de futuro que os comunistas portugueses empunham e que têm o seu símbolo maior na sempre insubmissa bandeira vermelha que ondula no ponto mais alto da Atalaia".

 

A festa leva o nome do jornal dos comunistas portugueses Avante! e tem a duração de três dias. Atualmente, é realizada em território adquirido na quinta (chácara) da Atalaia na margem sul do rio Tejo, na outra margem está Lisboa. Mas ao longo dos seus 31 anos, a festa já se realizou em cinco lugares diferentes sempre sob ameaça de ser desalojada por autoridades que não conseguem disfarçar um certo desconforto com a magnitude do encontro. Ficaram marcadas especialmente as edições de 1980, com o concerto de Chico Buarque; a de 1985, com o lançamento do livro O Partido com Paredes de Vidro, de Álvaro Cunhal; e a de 1994, ano do 20.º aniversário do 25 de Abril.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:35


2 comentários

De Simone, de BH a 03.09.2007 às 16:30

Bem vinda ao mundo das blogueiras, queridona!

Muitos beijos cheios de saudade pra você e nossa Helena.

Si

De beto a 20.05.2008 às 22:43

ana a festa foi maravilhosa vamos participar de novo. abraço.. beto

Comentar post



Cientista política e militante comunista. Altamira é uma homenagem à minha vó, Maria Prestes, e a todas as mulheres que, na luta por justiça e democracia, abdicaram do próprio nome.

Foto

 photo Ana_Prestes.jpg

Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Setembro 2007

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30